Publicado em Deixe um comentário

Cheklist de SEO técnico: Um guia para o seu posicionamento

O que é SEO? ( INTRODUÇÃO )
Search Engine Optimization (SEO) é o termo guarda-chuva para todos os métodos que você pode usar para garantir a visibilidade do seu site e seu conteúdo nas páginas de resultados do mecanismo de pesquisa (SERPs).
Os métodos variam de práticas técnicas que você pode alcançar nos bastidores do seu site (tendemos a referir isso como “on-page SEO”) para todas as abordagens promocionais “off-page” que você pode usar para aumentar a visibilidade do seu site (link – construção, marketing de redes sociais).
Quando falamos de visibilidade, queremos dizer o quão alto o SERP seu site aparece para certos termos de pesquisa nos resultados “orgânicos”. Os resultados orgânicos referem-se aos que aparecem naturalmente na página, e não nas seções pagas.
Construir uma arquitetura de site forte e fornecer uma navegação clara ajudará os motores de busca a indexar seu site de forma rápida e fácil. Isto também, mais importante, proporcionará aos visitantes uma boa experiência em usar seu site e incentivar visitas repetidas. Vale a pena considerar que o Google também está cada vez mais atento à experiência do usuário, incluindo otimização móvel e velocidade do site.
A paisagem do SEO muda rapidamente, portanto, o Search Engine Watch está aqui para ajudar a navegar no terreno imprevisível. Quer se trate de uma nova mudança no algoritmo do Google, ou lidar com a busca semântica de linguagem natural, ou implementar a tecnologia de página móvel acelerada mais recente, o Search Engine Watch tem coberto.
Cheklist de SEO técnico: Um guia para o seu posicionamento
Inscreva-se no Google Search Console
O Search Console é onde você pode monitorar o desempenho do seu site, identificar problemas e monitorar backlinks. Isso também é onde o Google se comunicará com você se qualquer coisa der errado.
Aqui estão as principais coisas que você deve configurar e verificar regularmente no Search Console:
1. Defina o seu domínio preferido: se o seu site aparece nos resultados de pesquisa com o prefixo www ou sem ele.
2. Melhorias em HTML: é aqui que o Search Console recomendará melhorias nas suas meta descrições e tags de título, além de informá-lo sobre qualquer conteúdo não indexável.
3. Links para seu site: aqui você pode ver os domínios que se ligam ao seu site e seu conteúdo mais, bem como suas páginas mais vinculadas.
4. Ações manuais: o Google informará se administrou uma ação manual em seu site ou página específica.
5. Orientação internacional: certifique-se de que está segmentando seu público preferido com base em idioma e país.
6. Status do índice: isso permite que você saiba quantas páginas do seu site estão atualmente incluídas no índice do Google. Você pode ver rapidamente qualquer tendência preocupante, bem como qualquer página que tenha sido bloqueada por robôs ou removida.
7. Erros de rastreamento: este relatório mostra todos os erros que o Google encontrou ao rastrear seu site nos últimos 90 dias.
8. editor robots.txt: é aqui que você pode editar o seu robots.txt e verificar erros. A parte inferior da página revela seus erros e avisos.
Inscreva-se no Google Analytics
O Google Analytics é um serviço gratuito que rastreia e informa o tráfego do site. Fornecer informações sobre a demografia dos visitantes do site, o desempenho de uma campanha específica e quanto tempo as pessoas estão hospedadas em seu site.
Certifique-se de que o Google Analytics ou o pacote de análise que você está usando está configurado e pronto para passar do primeiro dia para que você possa medir e analisar o tráfego para o seu site.
Velocidade do site ( SITE SPEED )
Use a ferramenta de teste de velocidade do site do Google para verificar a rapidez com que seu site carrega e implementa as alterações que recomenda.
Amizade móvel ( Mobile friendliness )
O seu site e seu conteúdo são igualmente otimizados para qualquer tamanho de tela ou dispositivo? Tenha em mente que o Google afirmou que o design responsivo é seu método preferido de otimização móvel. Olhe através de nossa lista de verificação completa e amigável para ajudar a resolver problemas.
Etiquetas de título ( Title tags )
1. As tags de título devem ter entre 50 e 60 caracteres, incluindo espaços.
2. Suas palavras-chave mais importantes devem ser as primeiras na sua etiqueta de título, com as suas palavras menos importantes que chegam em último lugar.
3. Se o nome da sua empresa não faz parte das principais frases-chave, coloque-a no final da etiqueta do título.
4. Não duplique as tags de título, elas devem ser escritas de forma diferente para cada página.
5. Não reproduza em massa suas tags de título, afetando negativamente sua visibilidade de pesquisa.
6. As tags de título devem descrever com precisão o conteúdo da página.
7. Não escreva palavras-chave “palavras-chave”.
8. Faça a sua headline (<h1> tag) diferente da tag do título.
Meta descrições (Meta descriptions)
1. Certifique-se de que suas palavras-chave mais importantes para a página da Web se estejam na meta-descrição.
2. Uma meta-descrição não deve ter mais de 135 a 160 caracteres. Qualquer mais e os motores de busca cortarão o fim, então certifique-se de que todas as palavras-chave importantes estão mais próximas da frente.
3. Não duplique suas meta descrições
Sitemaps XML / Sitemap HTML
Certifique-se de que o seu site possui um mapa do site exato em formato XML e HTML, para assegurar uma indexação completa e completa pelo Google.
Headlines ( Manchetes )
As manchetes para seus artigos devem ter menos de 55 caracteres para garantir sua visibilidade completa em SERPs.
Certifique-se de que são rápidos, atraentes e tão descritivos quanto possível.
Imagens
Certifique-se de que suas imagens estão todas otimizadas para a web. Assegurar que eles não são muito grandes – e a drenagem da velocidade do site. Além de ser devidamente rotulado com títulos e alt-text.
Páginas móveis aceleradas
Se você estiver usando o projeto AMP do Google para oferecer aos usuários de dispositivos móveis uma página de carregamento mais rápida, você precisa ter certeza de que eles estão sendo processados corretamente. Você pode verificar isso na ferramenta AMP do Search Console.
Integração de redes sociais
Os ícones das mídias sociais no site vão às páginas corretas? Você tem os botões certos e os plugins sociais instalados para o que você está tentando realizar e o que você quer que o usuário possa fazer? (Por exemplo, ele compartilha uma postagem em vez de “Curtir” sua página no Facebook).
Secure Certificate https
Se o seu site é ecommerce, ou você está usando páginas criptografadas para proteger a privacidade do visitante em um formulário ou em outro lugar, você precisará verificar seu certificado.
Conteúdo duplicado
Se você tiver conteúdo duplicado em seu próprio site, configure um redirecionamento 301 para que o Google apenas indexe sua página preferida.
Certifique-se de que o Google apenas indexe seu domínio preferido, ou seja, com o prefixo www ou sem ele: http://www.example.com ou http://example.com. O Google pode tratar as versões www e non-www de seu domínio como sites separados com páginas separadas, prejudicando assim a sua visibilidade.
Se você republicar o conteúdo de outro site (com permissão, é claro), verifique se existe uma etiqueta rel = canônica em cada página que liga a fonte original.
notícias do Google
Verifique se o seu site é elegível para o Google Notícias, se não, tente reenviar depois de ter realizado as sugestões do Google.
Códigos de resposta de erro (Error response codes)
Os códigos de resposta, como 400, 403, 404, 500 e 503, devem ser investigados completamente. Se você ver vários resultados 404 a partir de links internos do site, corrija os links ofensivos imediatamente.
Certifique-se de que 301s sejam usados para todos os redirecionamentos e evitemos redirecionamentos 302 ou 307.
Não siga (nofollow)
Adicione rel = “nofollow” a todos os links que você não deseja que os rastreadores do mecanismo de pesquisa sigam. Por exemplo, conteúdo patrocinado ou artigos liderados comercialmente com links para fornecedores ou prestadores de serviços.
Verificar dados estruturados
A seção Dados Estruturados no Search Console contém informações sobre todos os elementos de dados estruturados que o Google localizou em seu site, seja da marcação de esquema ou de outros microformatos. Verifique se há algum erro. Se você clicar nos “Tipos de Dados” individuais, ele mostrará exatamente quais URLs contêm essa marcação particular e quando ela foi detectada.
SOBRE O AUTOR: Weberson Maciel é publicitário com experiência de 9 anos de comunicação, e especialista em design estratégico pela Google University, atua como coordenador de desenvolvimento de projetos Mobile e especialista em SEO, AdWords , modelagem de negócios digitais para PMEs, e palestrante no Google Brasil. Ao longo de sua carreira atendeu clientes como: Adidas, Fiat, Porto Seguro, Rock in Rio, Tele Sena, Tam e PMEs por todo país. Trás em seu histórico a certificação master partner desde 2014, recebeu a premiação de 1° lugar por melhor SEO para vídeo em 2016 e 2017 3° lugar como melhor redução de investimento em AdWords no YouTube Expert . Ao longo de 3 anos de Google foram mais de 400 palestras 150 workshops e 50 cursos ministrados por todo Brasil.

Publicado em Deixe um comentário

Como sustentar valor no momento da venda

Sempre que escrevo sobre gestão de valor, coloco boa parte da responsabilidade nas mãos da equipe de gestão. Digo que eles são responsáveis por grande parte da sustentação de valor, pois isso é muito estratégico, ligado à comunicação e a uma política de preços estruturada. Mas é fato que um vendedor, no ato da venda, pode construir ou destruir valor de acordo com suas atitudes.

Parta sempre do princípio que todo cliente quer destruir valor do seu produto, dessa forma ele paga mais barato e sua missão é construir valor. Nesse embate você precisa sair vitorioso. Por isso faremos juntos alguns passos sobre como o vendedor pode construir valor:

  • Fazer visitas consultivas, sem objetivo de venda: todo mundo gosta de se posicionar como consultor de vendas, mas na verdade poucos fazem consultoria para o cliente. Você pode se questionar: “mas sou vendedor e não consultor”. Mas o vendedor conhece melhor o mercado que grande parte dos clientes, pois eles circulam por vários clientes, observam estratégias de sucesso, o que não funciona, e com isso pode e deve ser uma importante fonte de informação para o cliente.
  • Analisar giro e resultado dos produtos que você vende: o cliente precisa entender que você não quer ganhar o dinheiro dele, mas sim ganhar dinheiro com ele. Por isso estar atento à margem que o cliente coloca nos seus produtos e também ao giro dos produtos no cliente é fundamental para você sustentar margem. Dessa forma você pode demonstrar as melhores estratégias para ele ganhar mais com seu produto. Dia desses em um cliente de consultoria, um vendedor relatou-me que sua região é muito pobre e o nível dos clientes muito baixo, e então questionou-me como ele poderia ajudar, pois alguns clientes colocavam uma margem muito baixa nos produtos e estavam perdendo dinheiro, e com isso não sobreviveriam no mercado. Sugeri que fizesse um levantamento da margem dos clientes no mercado e simplesmente informasse a média para os que estavam sacrificando demais seus resultados. Os resultados foram muito bons e a conexão criada com o vendedor mudou completamente. Ele deixou de ser aquele que visitava para ganhar dinheiro, e passou a ser visto como um parceiro.
  • Reforçar sempre o conceito da marca: uma característica em comum dos vendedores é que eles têm o péssimo hábito de falar direto do produto e deixam de vender a empresa ou a marca. Reforçar sempre o posicionamento da marca é fundamental. Sempre nos workshops da VendaMais pedimos para as equipes escreverem três motivos pelos quais o cliente deveria comprar da empresa e não do concorrente (nem sempre esses motivos existem e quando isso acontece é preciso analisar a estratégia e criar esses diferenciais, fazemos isso nas consultorias). Quando esses diferenciais existem, dizemos que eles devem ser utilizados como uma mantra, repetido a cada visita ou cada vez que um cliente solicita um desconto. Todos deveriam usar a mesma linguagem e os mesmos argumentos, especialmente o marketing em todos os materiais de vendas.
  • Sempre reforçar fatos positivos quando surgirem: outro ponto muito importante que muitas vezes é desprezado por vendedores e também pelo marketing da empresa. Algumas companhias adquirem máquinas com valores altíssimos, investem em logística e em outras áreas e o cliente nem ao menos fica sabendo. Isso acontece porque as empresas e vendedores simplesmente não contam. E no final de tudo, os investimentos têm como objetivo direto ou indireto atender melhor os clientes. E isso precisa ser contado.
  • Apresentar sempre lançamentos: isso é de vital importância. Os produtos novos normalmente têm maior valor agregado, e é fundamental apresentar lançamentos para todos os clientes de forma estruturada. Particularmente sugerimos que seja feita uma visita especial para apresentar lançamentos, pois é uma grande oportunidade de ampliar mix no cliente. E mix gera valor.
  • Ter um projeto: todo vendedor deve ter um projeto para cada cliente, principalmente para os clientes A e B. Ter um projeto significa demonstrar para o cliente claramente quanto sua marca participa do seu faturamento e quanto você pretende atingir, seguindo sempre o passo anterior de acompanhar margem de perto, para demonstrar que quer gerar mais resultado. Sei que parece complicado, mas quando o vendedor senta com o cliente e traça um objetivo em comum, ele não precisa ficar negociando cada produto que deseja inserir no mix, nem cada volume que pretende crescer, já que isso é parte de um projeto que cliente e fornecedor traçaram juntos. Isso fará com que cada vendedor tenha uma meta por cliente, de faturamento, de mix e também de margem.

 

O vendedor que segue todos esses passos é estratégico e gera muito valor para a empresa e para o cliente. Nesse mercado altamente competitivo, gerar valor para essas duas pontas é de fundamental importância e vital para a sobrevivência das margens.

 

Artigo escrito pelo líder e gestor Marcelo Caetano.

 

Publicado em 2 comentários

Você agrega valor ou vale muito pouco!

Meu tema neste artigo não poderia ser outro: venda de valor. É esse assunto a que tenho dedicado pelo menos os últimos 7 anos da minha vida. É parte importante das minhas palestras e das consultorias da VendaMais. Todas as empresas para as quais somos contratados na consultoria têm como objetivo crescer sem perder rentabilidade ou recuperar a rentabilidade perdida, e esse é um grande desafio.

Sempre começo meu contato com o cliente pedindo para responder à seguinte pergunta: quanto tempo você investe pensando ou negociando redução de preço e quanto tempo investe pensando em como agregar valor para seu negócio?

Normalmente o que ouço é um silêncio constrangedor. A verdade é que passamos muito mais tempo resolvendo problemas e negociando preço que de forma racional gerando valor.

O segundo passo é uma reflexão: por que o cliente deveria pagar mais pelo seu produto ou serviço do que por um concorrente? Essa resposta precisa ser muito bem pensada, pois não aceitamos respostas genéricas, como “pelo atendimento”. A pergunta que vem em seguida é: qual fato faz seu atendimento realmente um diferencial? Como você mede isso? Dessa forma vamos nos livrando dos argumentos generalistas. Outra resposta muito comum é a prestação de serviço. A terceira pergunta é sobre esse assunto: qual serviço que você presta que é realmente um diferencial e como você mede isso? Normalmente ao final da discussão notamos que resta muito pouco como diferencial realmente e também pouco para cobrar mais que os concorrentes.

O quarto passo é criar um comitê multidisciplinar (com participantes do financeiro, comercial, logística, recursos humanos e marketing) para discutir como a empresa pode agregar mais valor para seus clientes e com isso cobrar mais pelos produtos ou serviços fornecidos.

Para esse comitê propomos os seguintes passos:

  • análise dos serviços prestados pela sua empresa para os clientes.
  • aplicar uma pesquisa nos clientes para ver como os mesmos avaliam sua empresa. No caso das consultorias da VendaMais, aplicamos o decálogo do cliente. Dessa forma você saberá como os clientes veem sua empresa e no que eles percebem mais valor.
  • análise dos serviços prestados pelos concorrentes. Um levantamento exploratório dos concorrentes. Afinal copiar e aprimorar boas ideias não tem nada de mau.
  • fazer uma pesquisa interna para ouvir sugestões dos funcionários sobre como agregar valor.
  • analisar se o marketing vende verdadeiramente valor. Nesse ponto proponho uma atenção especial. Em grande parte dos casos a mensagem do marketing não está ligada diretamente ao que agrega valor para o cliente. E nem aos valores da empresa. Sempre afirmamos, se você só colocar promoções nos seus tabloides, ou nos encartes, se suas campanhas falam tanto de preço, como quer que sua equipe venda valor? Em uma das mais recentes reuniões de marketing que participei, os profissionais apresentavam sua proposta de catálogo. Folheei as 70 páginas e tudo o que vi foram as linhas de produto. Nem um texto sobre a empresa, ou sobre os valores da empresa, ou sequer sobre os serviços prestados pela mesma, apenas produtos. Tudo muito lindo, bem feito mesmo, mas sem valor nenhum. Propus então que pelo menos 10% das páginas falassem sobre outros fatores que agregassem valor para o cliente que não fossem produtos. A designer decidiu contar suas experiência numa feira internacional, de onde buscou inspiração. A produção decidiu mostrar uma nova máquina para que os produtos tenham uma qualidade que custou 7 milhões de dólares e os clientes nem sequer ficaram sabendo dela. A logística optou por falar na entrega garantida no prazo. Enfim, cada setor assumiu uma página. Ao final tínhamos uma combinação poderosa de produtos e serviços, que serviriam inclusive como suporte para o script de vendas do comercial, quando fossem apresentar o catálogo para o cliente.
  • Refazer o script de vendas – veja que em todo atendimento a equipe deve repetir os valores todas as vezes que fizerem contato com o cliente.
  • Definir métrica – quais são os números de todos os setores da empresa que impactam diretamente no atendimento do cliente. E criamos assim um indicador de qualidade deste atendimento. Esse comitê deve gerenciar.

 

Veja que esse é um passo a passo de questionamento que induz a empresa a repensar a maneira como agrega e vende valor.  Lembre-se: no mercado ou você vende valor, ou vale muito pouco!

 

Artigo escrito pelo líder e gestor Marcelo Caetano.